Naturgy financia projetos de energia solar fotovoltaica

Por Emiliano Bellini

A fornecedora espanhola de energia e gás Naturgy anunciou que terão dois grandes financiamentos de projetos de energia fotovoltaica no Brasil por meio de uma emissão de títulos de R$265 milhões.

A companhia disse que os fundos serão usados nas construções dos projetos Sertão Solar I e Sobral I Solar, o qual terá uma capacidade de 68 MW no estado do Piauí.

“Com essas emissões de títulos, a empresa Naturgy otimiza a estrutura financeira de acordo com as obrigações assumidas com seu plano estratégico, maximizando o financiamento em seus próprios negócios, diversificando as fontes de financiamento com recursos do mercado de capitais, e obtendo um hegde natural da taxa de câmbio”, declaração da empresa.

Autoridade regulatória de energia brasileira, ANEEL, aprovou as operações comerciais para projetos em setembro de 2017.

Os projetos foram aprovados pela Agência Brasileira de Energia (EPE-sigla em inglês) por meio de leilões entre 2014 e 2015. Nos últimos três concursos, foram atribuídos cerca de 3GW de capacidade energia solar.

Em junho, Gas Natural Fenosa trocou seu nome para Grupo Naturgy Energy, S.A que refletiu seu novo plano de estratégico, prevendo um compromisso mais forte no sentido de energia solar limpa.

Fonte: PV Magazine

Singapura abre plataforma de negociação usando blockchain

Por Tom Kenning

Grande empresa de serviços públicos de Singapura, Grupo SP, lançou um mercado de certificados de energia renovável (REC) movido a blockchain, que está entre os primeiros desse tipo em todo o mundo.

A plataforma permite que organizações locais e internacionais de qualquer tamanho e em qualquer local comercializem RECs relacionados a uma variedade de fontes de energia renováveis. O uso da tecnologia de blockchain permite compradores sejam correspondidos automaticamente com vendedores ao redor do mundo de acordo com as preferências. A blockchain também serve para medir a segurança, integridade e rastrear cada transação de REC, disse o grupo SP em um comunicado.

O local de organizações Cidade de Limite de Desenvolvimento (CDL) e o Banco do Sudeste Asiático (DBS) já tem nome como os primeiros compradores no mercado. Enquanto isso, os promovedores de energia solar, como C&I especialista Cleantech Solar Asia e a LYS Soluções Energética, têm assinado um acordo com Grupo SP por causa das placas no mercado para vender fontes de energia renováveis (RECs).

“Nós temos 120 painéis solares na Ásia nesta plataforma, agora nós podemos permitir consumidores, onde não estão permitidos para gerar a própria energia renovável, outra confiável solução para atingir suas metas de energia limpa”, disse Raju Shukla, presidente executivo da Cleantech Solar Asia.

Mike Power, diretor de Tecnologia e Operações da DBS, disse: “Como maior banco do sudeste Asiático, nós reconhecemos o papel da liderança que nós podemos promover no desenvolvimento sustentável, incluindo o apoio a inovações em energia sustentável. A plataforma de blockchain REC do Grupo SP tornará mais eficiente economicamente para as organizações e irá catalisar a transição para uma economiza de baixo carbono. Estamos ansiosos por mais inovações de novas tecnologias sustentáveis para alcançar um futuro sustentável, seguro e inclusivo”.

Quer saber mais sobre energia solar fotovoltaica?

Acompanhe nosso blog.

Fonte: PV Tech.

TAGS: energia solar fotovoltaica

10 melhores fornecedores de módulos de energia fotovoltaica para 2019

Por Finlay Colville

Hoje, existem mais de 300 companhias operando em linhas de montagem de módulos. A variação das fábricas com alguns megawatts de capacidade de equipamentos com vários GWs. As linhas de módulos hoje são instaladas em várias regiões geográficas, em mais de 100 países diferentes.

Entretanto, poucos fornecedores podem ser considerados globais, independente de como cada um define “global” na indústria de energia fotovoltaica.

A indústria de energia fotovoltaica está passando por uma dura fase de verificação com a realidade, tendo sido um pouco distorcida pelo que vem acontecendo na China nos últimos anos. Sendo que está pronta para redefinir o grupo de empresas que atenderão a oferta de módulos  chineses em 2019.

Este post busca olhar profundamente os tipos de módulos das companhias que irão ser conhecidas internacionalmente nos próximos 12-18 meses.

Uma pesquisa foi divulgada recentemente pela PV-Tech em outubro durante a Conferência PV Module Tech 2018 em Penang. Na ConferênciaPV Module Tech 2018, os principais fornecedores de módulos internacionais estavam no palco, mostrando suas ofertas de produtos para 2019. Esse grupo de empresas, incluindo a First Solar e SunPower estão entre os grupos mais rentáveis na indústria hoje, e estão rotineiramente na lista de empresas aprovadas por credores perante o setor elétrico.

No início de 2018, apresentaram os Top-10 Fabricantes de Módulo de 2017. Desde a primeira compilação, pequenos ajustes ocorreram de acordo com as estimativas do início do ano. Segue a tabela atualizada abaixo:

 

Ranking

Empresa

1

JinkoSolar

2

Trina Solar

3

JA Solar

4

Canadian Solar

5

Hanwha Q-CELLS

6

GCL-SI

7

LONGi

8

Risen

9

Shunfeng  (inc. Wuxi Suntech)

10

Yingli Green

11

Talesun

12

First Sun

Fonte: PV Manufacturing & Technology, Maio 2018.

 

Imagem: PV Tech (2018)

Quer saber mais sobre energia fotovoltaica ?

Acompanhe nosso blog.

Fonte: PV Tech

TAGS: energia solar fotovoltaica

 

Índice do preço do módulo fotovoltaico

Por  Martin Schachinger, pvXchange.com

É oficial: a partir de 3 de setembro, o preço mínimo de importação é relegado à história. Depois que a maioria dos representantes da União Europeia consultados numa conversa preliminar contra as restrições de mercado. A Comissão está se abstendo de uma nova revisão de uma possível atos dumping dos preços por parte de fabricantes chineses. Em um contexto de medidas protecionistas nos Estados Unidos e medidas correspondidas pela União Europeia e China, as restrições de mercado continuaram para os produtos da Ásia teria enviado um sinal ruim.

Um capítulo que abriu em 2013 e levou a uma grande turbulência na indústria fotovoltaica finalmente será encerrada no final de 2018. Há uma coisa que as tarifas punitivas e os mecanismos de proteção muito contenciosos não conseguiram. No entanto, o que é resgato da produção europeia das células de energia solar fotovoltaicas e módulos. A partir desta perspectiva, a política foi um desperdício incrível de recursos e oportunidades que definiram o mercado fotovoltaico europeu de volta anos atrás. Numerosas regiões ao redor do mundo há muito tempo ultrapassaram os antigos mercados líderes, como Itália, Espanha e, claro, a Alemanha, em termos de números de instalação. Por muitos anos, os mercados europeus têm sido meramente uma nota de rodapé na história solar.

Module Price Index 09/2018  Gráfico:pvXchange.com/ Harald Schütt

Esperando por um sinal

Mas o que faz a abolição da regulação do mercado significa para o mercado domésticos e adianta para a expansão da energia solar? Nem todos os grandes players estão de volta das férias de verão, seja do lado da oferta ou do lado da demanda. Após a demanda moderada nas últimas quatro a seis semanas, quando os preços permaneceram praticamente estáveis e muitos projetos podem ter que ser recalculados. Por fim, os grandes players do mercado estão esperando finais dos preços.  Neste momento eles estão assustados- aparentemente nenhum dos grandes fabricantes querem tomar o primeiro passo. Eles estão aguardando seu tempo, esperando para ver quando a competição vai reagir, ou apontando para livros de pedidos bem cheios.  Aumentando, no entanto, os pequenos fabricantes do grupo nível 2 já estão em ação, e já estão colocando os preços dos módulos no ringue a preços na faixa inferior de 20 centavos. Algum dos produtos de nível 1 também estão sendo oferecidos a preços bem abaixo do atual preço mínimo de importação, embora as informações de Bruxelas sejam novas. Portanto, os preços dos índices devem ser ajustados para baixo de um a dois centavos de dólar por watt, quase semanalmente.  Os módulos mono-cristalinos, em particular, tem sido negociado bem acima dos preços de mercado mundial e tem muito a recuperar. Os preços dos módulos de alta eficiência e todos os módulos têm caído em até três centavos nas últimas três semanas, enquanto o mainstream dos preços dos módulos é apenas dois centavos abaixo do mês anterior.

Em termos percentuais, isso corresponde a uma redução de 5,3% para um máximo de 7,5% – a avalanche de preços está lenta, porém seguramente, ganhando impulso.

Para investidores e instaladores, no entanto, o desenvolvimento positivo está surgindo. Os preços mais baixos significam vários projetos, especialmente de licitações anteriores, podem agora ser implementados facilmente, e maiores retornos são alcançados. O único fator limitante será a escassez da capacidade de instalação, que já está se tornando aparente. Mas claro, considera-se também a influência dos preços baixos na qualidade.  Muitos fabricantes provavelmente serão forçados a cortar custos sempre que possível. Precisamos, portanto, manter a vigilância para obter qualidade nos produtos.

 

Quer saber mais sobre energia solar fotovoltaica?

Acompanhe nossas matérias!

 

Fonte: PV Magazine

TAGS: energia solar fotovoltaica

BNDES: financiamento em energia solar fotovoltaica

Por PV Magazine

Novos fundos virão do Banco de Desenvolvimento brasileiro, BNDES e irá ajudar os microempresários, individuais e comunidades para implementar energia solar fotovoltaica e projetos de energia eólica. Financiamento será concedido para projetos usando equipamentos que atendam os requisitos local.

“As duas linhas de crédito estão abertas, gerenciadas pelo BDNES, alocar quantidades significas de recursos para estimular o uso de energia sustentável”.

Pelo Twitter o presidente brasileiro, Michel Temer, comentou novo compromisso com o Banco de Desenvolvimento brasileiro para energia solar fotovoltaica. O novo fundo será de R$ 2 milhões de reais (cerca de U$ 497 milhões de dólares) para melhorar a eficiência energética, disse Temer.

 

Imagem: https://twitter.com/micheltemer

 

A linha de crédito do Finame Energia Renovável, disse o BDNES em uma declaração, que pretende ajudar as companhias, comunidades, cooperativas, produtores rurais e instalações com geradores não ultrapassando 375 kW, e turbinas de vento com uma capacidade de mais de 100 kW.

Graças a nova linha de crédito, as aplicações selecionadas serão capazes de financiar, junto com os bancos privados e públicos e agências de desenvolvimento, até 100% da soma total necessária para comprar equipamentos, com termos de pagamentos mais de 120 meses.

BNDES anunciou outra linha de crédito de R$ 228 milhões de reais, a qual será habilitada a reabertura do Programa Fundo Clima- Linha Máquinas e Equipamentos Eficientes, lançado em junho. “Além dos sistemas fotovoltaicos, a linha para financiar pequenas turbinas de vento, geradores a biogás e inversores de frequência”, disse BNDES.

No ano anterior, o BNDES e Banco de Desenvolvimento Alemão, Kreditanstalt für Wiederaufbau (KfW) lançou $142,7 milhões de crédito para oferecer suportar projetos de energia sustentável -solar, eólica, mini-hydro e biomassa. Em março, melhorou as condições de financiamento para energia solar e projetos selecionados de energia solar no Brasil. Novamente, o financiamento está vinculado aos requisitos de conteúdo local.

 

Fonte: https://www.pv-magazine.com/2018/09/28/brazil-earmarks-0-5-billion-for-solar-wind/

TAGS: energia solar fotovoltaica

A atualização das regras da Geração Distribuída no Brasil valerá apenas para as novas conexões, segundo ANEEL

Renováveis 2.0: Preparando-se para a nova complexidade das energias renováveis em um mundo pós-subsídios

Como o desenvolvimento de energia renovável continua se expandindo ao redor do mundo, dirigindo por vários inputs, como capital de alocação e investimento, perda de capital, custo nivelado de energia (LCOE) e vários mecanismos políticos. Estamos em mudança para a nova era de energia solar sustentável. 

Energia solar sustentável- um investimento bona fide

Alemanha foi o primeiro país a promover o investimento em energia solar renovável através da introdução de política de investimento em energia sustentável e além de outros tipos de suporte. Esse mecanismo de política procurou fornecer aos investidores certo parâmetro para obter projetos sucedidos: preço, volume e risco de contraparte. Eles permitiram um aumento significativo do capital privado para apoiar a energia renovável, o mainstreaming da energia renovável como um investimento bona fide (lealdade).

Energia solar fotovoltaica no Brasil

No Brasil, há também incentivos para promover o investimento de energia solar fotovoltaica. Como por exemplo, a primeira normativa para uso de energia solar fotovoltaica em geração distribuída aconteceu em 2012, quando a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) estabeleceu a Resolução Normativa n° 482. Esta resolução permite que compensação de um sistema produzido por painel solar fotovoltaico em uma unidade consumidora possa ser injetada na rede gerando créditos.

Essa significância do capital alocado na energia sustentável no setor criou um ciclo virtuoso para o desenvolvimento de energia solar sustentável para aumentar a competição para projeto e reduzir o custo de capital, o que levou a uma redução no custo do fornecimento de eletricidade.

O aumento do investimento em sustentável também permitiu que os fabricantes de equipamentos, por exemplo painel solar, alcancem maiores economias de escala. Isso fez que diminuísse o custo de capital (CapEx) para construir sistema fotovoltaico solar e projetos eólicos on-shore e 68% e 20%, respectivamente, entre 2010 e 2017.

Imagem: Enerray

Fonte: PV Magazine e ShareEnergy

TAGS: energia solar fotovoltaica

Ferramentas para Instalação de Energia Solar

Durante os nossos cursos, sempre nos perguntam quais são as ferramentas básicas para iniciar no ramo da energia solar. O objetivo desse post é mostrar alguns dos equipamentos básicos necessários para realizar diversos tipos de instalações de sistemas fotovoltaicos.

Primeiramente, devemos começar pelos EPI (Equipamentos de Proteção Individual). De acordo com a Norma Reguladora NR-6, considera-se Equipamento de Proteção Individual – EPI, todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos e ameaças à segurança e à saúde no trabalho.
Para instruir os trabalhadores que desejam atuar no ramo de energia fotovoltaico, vamos indicar quais são os equipamentos básicos necessários para começar a instalar.

Fonte: Desterro Eletricidade 

Os equipamentos para energia solar fotovoltaica foram divididos por áreas do corpo: região facial, membros superiores, membros inferiores e corpo inteiro.

O equipamento de segurança para a região facial é o capacete com fita jugular, sendo que preço médio fica em torno de R$ 50 reais. Temos também os óculos de segurança, preço médio é R$10 reais.

Já nos membros superiores temos luvas alta tensão. Para ser utilizada em situações de risco de choque elétrico. O valor médio das luvas de alta tensão é de R$300 reais. Outro equipamento é a luva trabalho civil, em média de R$ 10 reais.

Para o corpo inteiro temos o talabarte, que é o elemento de conexão entre o cinturão paraquedista e o ponto de ancoragem. O valor médio de mercado é R$130 reais. O segundo equipamento é o cinto tipo paraquedista para trabalhar em altura com preço médio R$250 reais.

O terceiro equipamento é trava quedas. Esse equipamento é um dispositivo que permite a locomoção do trabalhador por toda a área a ser atingida. Possui a função de bloqueio, que protege o trabalhador em caso de quedas.  O preço médio é de R$150 reais.

Além disso, temos a roupa específica para instalação de acordo com a Normativa NR-10 com preço médio de R$300 reais. E por último, a bota de segurança com preço médio de R$50 reais. Botas com isolação elétrica devem ser utilizadas em caso de manobras tensões elevadas.

Fonte: Nuovoitadd 

Como estamos lidando, quase sempre, com instalações realizadas em altura, é de extrema importância que os participantes da instalação tenham feito os cursos de NR 10 e NR 35, e que, estejam protegidos com os EPIs essenciais.

Além disso, são necessárias diversas ferramentas mecânicas e equipamentos elétricos para uma boa instalação fotovoltaica. No próximo post, abordaremos a lista de ferramentas mecânicas e equipamentos elétricos necessários.

TAGS: energia solar fotovoltaica

 

 

 

5 motivos para investir em energia solar fotovoltaica

Confira as razões para instalar energia solar fotovoltaica na sua casa

 

  1. Geração e fornecimento de energia no local instalado.

O gerador de energia é instalado no telhado e depois a energia é convertida para ser utilizada na residência ou comercial.

  1. Economize dinheiro com a sua conta de eletricidade

O consumo de energia permanece o mesmo a cada ano, mas acontece que tem aumento do preço na conta. Com a energia solar fotovoltaica, a conta de eletricidade será menor no final do ano.

  1. Energia solar fotovoltaica valoriza a sua propriedade

Ter menor gasto em energia elétrica com equipamento de maior tempo de vida faz com que seu imóvel seja valorizado no mercado, seja comercial ou residencial.

  1. Ser exemplo para outros

Com o seu próprio sistema de painel solar, você é um exemplo para a próxima geração, porque a energia verde garante um futuro mais ecológico para nossos filhos.

  1. Durabilidade e confiança

O painel solar fotovoltaico apresenta durabilidade de mais de 20 anos com baixa manutenção.

 

Quer saber mais sobre energia solar?

Continue acompanhando nossos conteúdos e compartilhe as suas dúvidas nos comentários.

 

TAGS: energia solar fotovoltaica