Cidade de Shenzhen acaba de tornar todos os seus ônibus elétricos, e os táxis serão os próximos

Shenzhen é uma das maiores e mais importantes cidades da China e pretende eletrificar toda a sua frota de táxis até 2020. Já é a primeira grande cidade do mundo a operar uma frota de ônibus totalmente elétrica.

Por volta de 16.000 ônibus da cidade são elétricos.

E sua frota de táxis não fica muito atrás. Mais de 12.000 (62,5%) dos táxis da cidade também funcionam com eletricidade. Shenzhen pretende atingir 100% até 2020. Para manter seus ônibus elétricos funcionando, a cidade construiu 510 estações de recarga equipadas com 8.000 postes de carregamento. No Terminal Rodoviário de Qinghu, o Western Bus Group instalou mais de 30 postes de carregamento em setembro. “Um ônibus pode ser totalmente carregado em duas horas e os postes de carga podem atender a 300 ônibus por dia”, disse Guan Anguang, gerente assistente do terminalA rede de ônibus de Shenzhen foi capaz de se tornar totalmente elétrica graças aos generosos subsídios do governo local e nacional concedidos a empresas de transporte público.

Imagem: REUTERS/Jason Lee

Embora os ônibus elétricos sejam caros para as cidades implantarem, as empresas de ônibus de Shenzhen contornaram isso de várias maneiras. Algumas operadoras de ônibus arrendaram, em vez de comprarem, veículos de fabricantes, reduzindo a necessidade de investimentos iniciais maciços. A cidade também investiu em operações de ônibus e infraestrutura de recarga. Shenzhen adotou um tipo de ônibus eletrônico onde uma carga de cinco horas suporta 250 quilômetros de condução, sustentando quase um dia inteiro de operação. Além disso, a cidade garantiu que quase todas as linhas de ônibus possuíssem instalações de recarga. Também conseguiram que as baterias de ônibus viessem com uma garantia vitalícia dos fabricantes.

O enorme investimento da China no transporte elétrico vem de uma iniciativa mais ampla para reduzir a poluição.

A qualidade do ar nas grandes cidades chinesas geralmente atinge níveis perigosos. Em 2014, o país “declarou guerra” à poluição, suspendendo a construção de novas usinas e investindo pesadamente em energia renovável e tecnologia verde. Em Shenzhen, os ônibus a diesel foram responsáveis ​​por 20% das emissões de poluentes referentes ao transporte na cidade. Com a introdução de ônibus elétricos, a cidade poderia reduzir as emissões de CO2 em 48%, comparado a ônibus a diesel, e até 100% de outros poluentes locais.

Imagem: REUTERS

Outras cidades, como Nova York e Londres, também seguem a rota do ônibus elétrico.
Londres planeja fazer todos os seus ônibus de um só andar livres de emissões até 2020, e todos os seus ônibus de dois andares serão híbridos até 2019. Nova York planeja tornar sua frota de ônibus totalmente elétrica até 2040.
Não está claro, no entanto, se outras cidades na China conseguirão a façanha de Shenzhen, eletrificando toda a sua frota. O governo planeja retirar subsídios até 2020, e sem eles, os ônibus elétricos podem ser caros demais para serem introduzidos.
De fato, espera-se que os lucros da BYD, maior fabricante de ônibus elétricos da China, caiam como resultado da redução dos subsídios, bem como do aumento da concorrência no setor.